Resenha Literária

Há algumas formas de resenha, a crítica, a descritiva e a temática. Estou sugerindo uma versão pessoal, a resenha literária do parceiro. Que nada mais é do que uma síntese, que expressa a opinião do ator (pessoa que presencia ou toma conhecimento) sobre um determinado objeto cultural, no nosso caso, um livro. Mas pode ser utilizada para resenhar qualquer evento cultural, apenas fazendo uso dos termos corretos.

Uma resenha, objetiva guiar o leitor através do objeto cultural. Neste sentido, levá-lo por infindáveis corredores de observações e opiniões, pode cansá-lo. É preciso tomar cuidado, se for muito breve, pode não apresentar, ao leitor, as principais características do objeto. E, se for muito extensa, torna-se cansativa, podendo incorrer em erros e espantar o leitor, antes do fim.

Fica como sugestão, para garantir uma apresentação consistente da obra, o seguinte:

- Identificar a obra: dados bibliográficos;
- Apresentar a obra: situar o leitor, com uma breve descrição do conteúdo do texto resenhado;
- Comentar a capa (se houver): nada muito técnico, apenas uma impressão, de preferência sutil, a não que se ache um(a) ótimo(a) crítico(a) de arte e designer esmerado. A sugestão é, olhar para a capa depois, primeiramente deve tomar conhecimento do conteúdo, ajuda bastante;
- Descrever a estrutura: falar da divisão dos capítulos, do tipo narrativo e se julgar proveitoso, até da quantidade de páginas;
- Descrever o conteúdo: resumir objetivamente o texto resenhado(livro), não mais que 5 parágrafos;
- Olhar crítico: dar sua opinião, clara e concisa. Esta parte é delicada. Deve imaginar-se no lugar do escritor, lendo a crítica. Deve falar o que é preciso falar, sobre o objeto cultural, do ponto de vista do objeto, evitando os termos como “EU” isso, “EU” aquilo. Se possível, procure tratar a obra como algo vivo. Atribuindo-lhe uma personalidade, “a obra”;
- Recomendar a obra: acabou de ler e conhece a obra, recomende-a, com base na sua experiência;
- O autor: falar sobre o autor da obra que foi resenhada, qual a impressão que lhe passa;
- O resenhista: falar sobre o autor da resenha, formação, nome, links para o site, o blog e redes sociais.


Assemelhando-se a uma síntese, a resenha, precisa ir ao cerne do objeto resenhado. Ao resenhista cabe, portanto, equilibrar descrição do objeto de resenha, bem como críticas necessárias. Acertando esse equilíbrio, terá escrito a resenha perfeita. Embora e particularmente, assim como uma obra literária, eu vejo uma resenha, passível de avaliação. É quando a onça bebe água.

Caso surja algo, que mereça uma colocação menos apreciativa, faça-o diretamente ao autor da obra.

Ressaltando o que julgo ser o mais importante, respeite quem escreve, pois dedicou tempo e imaginação ao criar sua obra, se não pode ajudar a divulgar, no mínimo, seja uma pessoa de bom senso, não destrua. Respeito é tudo.

É importante ao resenhista, que tenha liberdade para escrever a sua resenha. Assim, estas dicas têm o intuito, apenas de sugerir uma possibilidade de apresentação da resenha. Fica a critério, de cada um decidir-se pelo que mais lhe for conveniente.