sábado, 21 de abril de 2012

Fala Mundo! (Parte I/III)

Hoje passou um sofá boiando no rio, a molecada adorou, tiraram uma foto com o celular, perguntei porque? Me disseram que haviam completado a última sala de estar da casa vitual. Lógicamente fiquei curioso, então pedi e me deixaram ir com eles à casa de um dos garotos. 

Usavam um computador montado com peças encontradas no lixão, monitor (suas cores ficavam mudando constantemente, deduzi que era o motivo de ter virado lixo), teclado (algumas teclas faltavam, então usavam um dedal de costureira para conseguir clicar sobre lugar em que faltava a tecla), o mouse (como não funcionava o botão esquerdo, mudaram para usar o botão direito) , incrivelmente tinham uma caixa de som (funcionava perfeitamente, provavelmente fora jogada no lixo por alguém que comprou um modelo novo), o computador (responsável pelo processamento) foi conseguido com "seu" Jessé (dono do boteco, que disse não saber como usar "aquilo" e ia se desfazer, (provavelmente jogando no lixo ou no rio). Somente estas constatações já eram, por si só, uma mostra do que estamos fazendo com o mundo, mas vamos ao que me levou à casa.

Me mostraram uma apresentação Power Point em que havia várias fotos do rio, sempre com um item novo, boiando ou sendo arrastado pela força de suas águas. Detalhe, nenhuma foto era repetida. A apresentação levou quase 15 minutos, durante este tempo, que realmente nunca imaginei que duraria tanto, houve a apresentação de uma casa quase completa. Haviam montado a casa com oito andares e todos tinham quarto, sala de estar (alguns com frigobar), cozinha, banheiro (em todos) e lavanderia (em dois). Estavam, segundo eles mesmos, ampliando a área da piscina, pois o número de cadeiras estava muito grande. Havia até antena parabólica (se bem contei, cinco).

Mas estavam chateados, pois ainda não tinham conseguido montar mais que um banheiro e uma cozinha de maneira completa (cada andar tinha um item de cada), a dificuldade era encontrar itens como vaso sanitário (privada), chuveiro, torneira e pia de cozinha (falei que isso havia aos montes nos lixões, mas me disseram que só valia o que estava no rio), havia regras e tive que entender.

Enfim, agradeci a permissão de fazer a visita e sai dali feliz e indignado, feliz por perceber o quanto se faz com o que não serve mais e indignado por saber que estamos acabando com nosso planeta. Penso que deveria ser colocado na internet, mas como não possuiam acesso, aquilo ficaria guardado. Quem sabe um dia...!


Abraço de seu futuro e eterno amigo,
J.C.Hesse